Taxa de Desemprego no Tocantins Cai para 6,5% no Segundo Trimestre: Dados Encorajadores da PNAD Contínua

Resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) indicam redução da desocupação no estado, com destaque para a recuperação sazonal

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Os números trazem alívio para os trabalhadores do Tocantins. A taxa de desemprego no estado apresentou uma queda notável no segundo trimestre de 2023, atingindo o índice de 6,5%. Os dados promissores emergem da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A desocupação no estado teve um declínio de 0,4 ponto percentual em comparação ao trimestre anterior, que apresentava um índice de 6,9%. O segundo trimestre do ano também registrou uma diminuição significativa no número absoluto de pessoas desocupadas: aproximadamente 52 mil indivíduos. Esse valor representa uma redução de 7% em relação ao trimestre anterior.

Os resultados da pesquisa mostram que, durante o segundo trimestre, cerca de 742 mil pessoas estavam ocupadas no Tocantins. Este número reflete uma diminuição de 1,2% na comparação trimestral, porém um aumento de 0,3% quando comparado ao mesmo período do ano anterior.

O Secretário da Indústria, Comércio e Serviços, Carlos Humberto Lima, destaca que o recuo na taxa de desemprego no segundo trimestre é um sinal positivo. Ele enfatiza que esse movimento está alinhado com o padrão sazonal histórico desse indicador. "O Governo do Tocantins está comprometido em aumentar as oportunidades de emprego no estado, e os resultados são altamente encorajadores. Nossa taxa de desemprego está substancialmente abaixo da média nacional de 8%", ressalta o secretário.

A distribuição da ocupação no estado mostra uma diversidade de perfis profissionais. Os trabalhadores por conta própria compreendem 21% do total, equivalente a aproximadamente 154 mil pessoas. A categoria de empregados no setor público (estadual, municipal e federal), incluindo militares, representa 23%, somando cerca de 172 mil indivíduos. No setor privado com carteira assinada, há 170 mil trabalhadores, correspondendo a 23% da população ocupada. Os sem carteira assinada constituem 20% do total, totalizando 148 mil pessoas. A categoria de trabalhadores domésticos representa 8%, aproximadamente 56 mil indivíduos. Empregadores e trabalhadores familiares compõem 4% (33 mil) e 1% (9 mil), respectivamente.

O município de Palmas, a capital do estado, também apresentou uma taxa de desocupação positiva, registrando 5,1%. Isso corresponde a cerca de 10 mil trabalhadores em busca de emprego ou desempregados.

A pesquisa PNAD Contínua é um instrumento crucial para o monitoramento da força de trabalho no país. A amostra trimestral abrange 211 mil domicílios pesquisados, com a participação de aproximadamente dois mil entrevistadores distribuídos nos 26 estados e no Distrito Federal, integrados a uma rede de coleta formada por mais de 500 agências do IBGE.

Em resposta à pandemia de Covid-19, o IBGE adaptou a coleta de informações por telefone a partir de março de 2020. A coleta presencial foi retomada em julho de 2021, buscando manter a precisão e confiabilidade dos dados mesmo em tempos desafiadores.