Operação Malha Fina Realiza Apreensão e Doação de 880kg de Pescado Irregular no Lago de Palmas

Equipe de fiscalização do Naturatins atua conforme legislação para coibir atividades ilegais de pesca e beneficia instituições filantrópicas

Foto: Naturatins

Foto: Naturatins

Uma ação firme da Operação Malha Fina no Lago de Palmas resultou em uma importante apreensão de pescado irregular. A equipe de fiscalização do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) agiu com determinação ao abordar pescadores que estavam realizando entregas a compradores sem a devida guia para transporte do pescado. O resultado da operação surpreendeu a todos: ao pesar o pescado que deveria totalizar apenas 200kg, descobriu-se que os pescadores estavam transportando ilegalmente 880kg de pescado da espécie Mapará.

Essa ação enérgica e precisa é uma resposta ao desrespeito pelas regulamentações estabelecidas, sendo conduzida em estrita conformidade com a Portaria Naturatins nº 01/2023, a Portaria Naturatins nº 98/2018 e a Lei de Crimes Ambientais nº 9.605/1998. Esses regulamentos definem não somente os locais onde a pesca profissional é proibida, mas também estabelecem a quantidade de pescado permitida para captura por pescadores profissionais durante cada semana.

Foto: Naturatins

Em uma operação que visa combater a pesca ilegal e garantir a preservação dos recursos naturais, a apreensão do pescado excedente foi um passo importante. No entanto, o destino desse pescado demonstra uma abordagem responsável e humanitária. Em vez de simplesmente ser descartado, o pescado apreendido foi destinado a instituições filantrópicas que desempenham um papel crucial na comunidade.

Entre as beneficiadas estão a Casa de Apoio Vera Lúcia Pagane, a Igreja Batista Getsêmani e o Lar Batista de Luzimangues. A doação desse pescado não apenas ajuda a alimentar aqueles que mais necessitam, mas também ilustra a importância de uma abordagem holística para a aplicação da lei e a conservação ambiental.

A operação Malha Fina é um exemplo da dedicação das autoridades em combater atividades prejudiciais ao meio ambiente e à sustentabilidade dos recursos naturais. Além disso, a escolha de direcionar o pescado apreendido para instituições filantrópicas demonstra uma preocupação genuína com o bem-estar da comunidade. O equilíbrio entre a aplicação da lei e o cuidado com o impacto humano é uma abordagem que deve ser aplaudida e incentivada.