Criminosos criaram perfil para intimidar delegado durante onda de assassinatos em Palmas, diz polícia

Suspeito de ser um dos responsĂĄveis pelas mortes foi preso no Mato Grosso e transferido para o Tocantins. Criminoso chamado de 'LuxĂșria' seria parceiro de Dad Charada; polĂ­cia diz que eles foram responsĂĄveis por cerca de 50 mortes.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Durante a investigação da onda de assassinatos registrada em Palmas no primeiro semestre de 2023, criminosos tentaram intimidar o delegado de homicĂ­dios Eduardo Menezes. Eles criaram um perfil nas redes sociais chamado "Tropa do LX", no qual mandaram mensagens intimidadoras, curtiram fotos do delegado com a esposa e enviaram ĂĄudios e vĂ­deos ameaçadores. O delegado revelou essas informações durante uma coletiva realizada para apresentar a transferĂȘncia de LuxĂșria, apontado como um dos mentores da onda de assassinatos.

O perfil criado pelos criminosos era direcionado ao delegado e continha mensagens ameaçadoras, como: "Não deixa os [...] sair pra rua não. Esse ano vamos matar mais uns 50 deles". O delegado também recebeu um vĂ­deo que mostrava vĂĄrios homens segurando armas. Apesar das intimidações, Menezes afirmou que o trabalho da polĂ­cia estava dando resultados e incomodando os criminosos.

LuxĂșria, cujo nome verdadeiro não foi divulgado, foi preso no Mato Grosso e transferido para o Tocantins. Ele é considerado o lĂ­der de uma facção criminosa em Palmas e teria recrutado Dad Charada, um membro de um grupo rival, desencadeando uma guerra pelo controle do trĂĄfico de drogas na região. O delegado destacou que LuxĂșria foi responsĂĄvel por ordenar, juntamente com Dad Charada, pelo menos 50 mortes.

Foto: Reprodução

LuxĂșria foi preso em Rondonópolis (MT) por participar de um assalto na cidade de CametĂĄ (PA). Ele foi transferido para Palmas e estĂĄ detido na Unidade Penal local. A polĂ­cia acredita que LuxĂșria esteja envolvido diretamente na morte de Wesley Dias Carvalho, 37 anos, ocorrida em um restaurante da capital. As investigações continuam para identificar outros envolvidos nos assassinatos.

A onda de violĂȘncia em Palmas, que ocorreu em 2023, resultou em 96 homicĂ­dios nos primeiros 180 dias do ano, segundo a Secretaria de Segurança PĂșblica (SSP). A polĂ­cia atribui mais de 60% dessas mortes à guerra de facções na região.