Colar de Âmbar para Bebês - Cuidado

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

O Conselho Federal de Odontologia (CFO), Conselhos Regionais de Odontologia (CROs) e a Sociedade Brasileira de Pesquisa Odontológica (SBPqO) trazem informações embasadas em evid├¬ncias científicas e an├ílise crítica da literatura sobre o uso do colar de ├ómbar para beb├¬s, a fim de combater a desinformação e notícias enganosas na odontologia e população.

O ├ómbar é uma resina fossilizada, produzida a partir de pinheiros, composto por carbono, hidrog├¬nio, oxig├¬nio e cerca de 8% de ├ícido succínico, elemento associado ao processo de cicatrização, considerado como um remédio natural sendo utilizado para aliviar os sintomas associados à dentição do beb├¬, como febre, inchaço nas gengivas, dificuldades no sono e inquietude.

Estudos científicos mostram que o colar de ├ómbar, além de não oferecer benefícios, pode acarretar em riscos de estrangulamentos e asfixias para as crianças que o utilizam. O colar envolto ao pescoço pode eventualmente apertar a garganta da criança a ponto de impedir a passagem de ar ou ainda, as contas de ├ómbar podem se soltar, oferecendo risco da criança deglutir e aspirar.

Publicação endossada com base no artigo "Colar de ├émbar para Beb├¬s: Risco Maior que Benefício", de autoria de Marcelle Azevedo, Tatiana Kelly Fidalgo e José Carlos Pettorossi Imparato.

Conheça o CFO Esclarece

O CFO Esclarece tem a finalidade de promover informação de forma din├ómica e direta sobre Odontologia. Ele estar├í presente em diversas mídias e canais de comunicação, em formato de vídeos, podcasts, artes, infogr├íficos, matérias e artigos para sites, revistas, jornais e publicações em redes sociais. Os temas abordados são desde conceitos éticos e institucionais do Sistema Conselhos, assim como dados ou notas com abordagem científica, e esclarecimentos gerais para os profissionais da Odontologia e para a comunidade.